Hué - a capital imperial do Vietname

Hué é um dos centros culturais e históricos mais importantes do Vietname e é conhecida pela sua tradição no domínio do pensamento intelectual e da devoção budista. A norte do rio do Perfume, encontra-se a cidadela, enquanto a sul existem muitos pagodes e túmulos reais.


Classificada como Património Mundial em 1993, a Cidadela foi mandada construir pelo imperador Gia Long em 1805. A fortaleza incluía três recintos: as cidades imperial, civil e púrpura proibida. As guerras do século XX deixaram a sua marca na cidade e este complexo sofreu bastante. No entanto, obras de conservação e recuperação recentes (que ainda hoje continuam) permitem aos turistas (vietnamitas, asiáticos ou ocidentais) que o visitam ficarem com uma ideia do que este teria sido no seu auge.


Construído claramente tendo como modelo a cidade proibida de Pequim (tendo em conta as devidas diferenças), o complexo incluía templos, palácios, bibliotecas, teatros e zonas residenciais, rodeados por muralhas e um enorme fosso.


O dia em que visitámos a cidadela coincidiu com a comemoração da declaração da independência (a 2 de Setembro de 1945) por Ho Chi Minh. No caminho para a porta principal, era já claro qual o local que os locais tinham escolhido para visitar no feriado. Furando pelo meio de motas estacionadas, lá chegamos à porta de Ngo Mon, encimada pela torre da vigia onde o imperador se sentava em cerimónias de estado.



Passando um pátio, entramos no palácio de Thai Hoa, o palácio do trono, com 80 colunas de madeira lacadas a vermelho. Mais à frente, o teatro real ainda hoje acolhe espectáculos de música e dança mas a vizinha biblioteca real está rodeada por andaimes, visto estar em recuperação. Estes edifícios estão localizados numa área que era a chamada cidade púrpura proibida, onde nenhum homem podia entrar (sob pena de morte), além do imperador. Apenas a rainha, as concubinas (de nove graus diferentes!), as criadas do sexo feminino e os eunucos da corte podiam entrar! Se o imperador visse agora as multidões de turistas…


Voltando para trás, dirigimo-nos ao outro extremo do complexo sob um calor esmagador. Cada bebida e cada gelado que comprávamos nos numerosos comerciantes dentro do complexo, implicava uma negociação cerrada, de modo a não sermos levados a pagar um preço “especial” para turista!

Esta parte da cidade é dominada por três templos. O primeiro que visitámos foi o de Hung Mieu, dedicado à veneração dos pais de Gia Long. Em frente, o templo de The Mieu honra os imperadores Nguyen, encontrando-se no pátio nove enormes urnas funerárias.


Por fim, o pavilhão de Hien Lam, com três pisos, foi construído em honra daqueles que contribuíram para a excelência da dinastia Nguyen e, em sinal de respeito, ficou declarado que nenhum outro edifício da cidadela podia ser mais alto. E, ainda hoje, tal como toda a cidadela, continuam a ser estes edifícios que atraem visitantes à cidade e que projectam o nome dos imperadores vietnamitas pelo mundo. Foi para isso que foram construídos e continuam assim a servir o seu maior propósito. 

Etiquetas: