Na peugada dos dinossauros... De Plaza Huincul a Trelew

No centro da Patagónia, esquecidos pelo turismo de massa, encontram-se alguns dos lugares mais incriveis que já visitei. Plaza Huincul é um desses locais. Insere-se na chamada Holyland da paleontologia mundial, onde outrora habitavam seres pré-históricos gigantes, pássaros fantasmagóricos e répteis assustadores que deambulavam nas florestas agora petrificadas.
É a partir de Neuquén que visito a povoação. Toda esta área é bastante rica em petróleo e, inclusive, nas últimas semanas foram descobertas aqui das maiores jazidas de petróleo da Argentina. (Notícia)

A exploração da energia fóssil dá trabalho a centenas de pessoas mas há outros fósseis, conhecidos há mais tempo, que também constituem um importante recurso local. São eles as magníficas ossadas de dinossauros descobertas nas imediações.

Chegar a Plaza Huincul não foi fácil. Tive que desistir e voltar para trás na primeira tentativa devido a um bloqueio da estrada realizado pelos trabalhadores do sector nuclear e petrolífero que cortaram os acessos para entrar e sair de Neuquén. Quando estava quase a desistir e a ir-me embora, os bloqueios foram levantados devido à queda de um avião na cidade de Neuquén. Este avião tinha partido do aeroporto com várias pessoas de negócios que estavam "presos" na cidade. Esta situação alterou os ânimos, a comunidade começou a condenar fortemente os bloqueios e os trabalhadores resolveram voltar atrás.
Sendo assim, consigo finalmente fazer as 3 horas de viagem que separam Neuquén de Plaza Huincul e alcançar a povoação. Obviamente que mesmo nesta segunda tentativa as coisas não foram assim tão lineares. O autocarro avariou e estive mais de uma hora na estrada, juntamente com todos os outros passageiros, à espera de um novo autocarro que nos levasse ao destino.
Eram quase 12h quando cheguei a Plaza Huincul. Logo à entrada do Museu Carmen Funes, a razão que me trouxe aqui, recebo um panfleto que me deixa perplexa. "Todos os ossos que encontrares nas imedições pertencem à humanidade"; "Os ossos de dinossauro são propriedade mundial e não podem ser vendidos ou recolhidos por pessoas individuais"; "No caso de encontrares ossadas de dinossauros contacta as instituições competentes". É incrivel! A quantidade de ossadas de dinossauros deve ser tal que a possibildade de tropeçarmos nelas é uma realidade.
Esta situação é tão real que o maior esqueleto de dinossauro descoberto na Terra, até à data, foi encontrado por um guarda florestal na sua quinta e desenterrado por um mecânico de automóveis. É este colossal herbívoro, com 38m de comprimento, que é o ex-libris do Museu Carmen Funes. O Argentinosaurus huinculensis (deve o seu nome ao local onde foi descoberto - Huincul, na Argentina) terá vivido à cerca de 90 milhões de anos e atingido um peso de 102 toneladas. É uma visão extraordinária e uma sensação incrivel estar frente-a-frente com este gigante da natureza. Pensar que pisaram estas terras, correram pelas estepes que agora vejo da janela do autocarro, ou que procuravam alimento na vegetação que agora desapareceu. Desses tempos sobraram as ossadas incrivelmente preservadas e o petróleo.
A poucos quilómetros de Plaza Huincul, situa-se El Chocón, a povoação onde, em 1993, foi descoberto o maior dinossauro carnívoro que pisou a Terra - Giganotosaurus carolini, bastante maior que o seu familiar norte-americano Tiranosaurus rex. Hoje exposto no museu da cidade é mais um legado extraordinário perservado da vida jurrásica. Infelizmente, devido a todos os contratempos, foi-me impossível visitar El Chocón, onde até há bem pouco tempo os locais utilizavam os equinofósseis dos dinossauros para fazer grelhados na margem do lago.
A minha visita à Patagónia paleontológica levou-me a Trelew, uma cidade próxima da costa atlântica. Apesar da povoação ter origem gaulesa, o que me trouxe aqui foi o maravilhoso Museu Paleontológico Egidio Feruglio. Este museu é uma viagem no tempo e apresenta uma colecção de fósseis bastante extensa que remonta há 540 milhões de anos atrás. O museu expõe ovos de dinossauros descobertos, em 1997, em Auca Mahuevo, o maior local de nidificação de dinossauros do mundo. Nestas escavações foram inclusive descobertos embriões de dinossauros com a pele fossilizada intacta. Estas descobertas são, do ponto de vista cientifico, extremamente importantes porque remontam ao Jurássico médio, um período onde até então havia um vazio cientifico nesta área.
No Museu Edigio Feruglio, ao contrário dos outros, as equipas de paleontólogos continuam a trabalhar activamente nas constantes descobertas, (2006), nomeadamente no Phorusrhacid, a maior ave de terror descoberta na Patagónia. Pode-se visitar os laboratórios e imaginar o que é ser paleontólogo nem que seja por um dia.

No final da minha visita assisto a um filme da BBC sobre a importância das descobertas feitas na Patagónia argentina para a Paleontologia mundial. Uma lição imperdível. E as descobertas parecem não cessar. Este ano foi descoberto mais um...

http://www.bbc.co.uk/news/science-environment-12163381

Etiquetas: