Valdivia - O palco do maior sismo jamais ocorrido na Terra.

Valdivia, na costa do sul do Chile, é ignorada pela maioria dos viajantes que cruzam o país. O que me trouxe a esta cidade não foram as melhores razões. Sabia que a cidade tinha sido o palco do maior sismo jamais registado na Terra, com uma magnitude de 9.5 na escala de Richter, a 22 de Maio de 1960. Vi vários documentários sobre o terramoto e tinha muita curiosidade em conhece-la. Sendo assim, rumei pela Pan-americana.
O sismo de 1960 provocou vários fenómenos paralelos, entre eles, a erupção do vulcão Puyehue e tsunamis que provocaram 62 mortes no Havai e 31 nas Filipinas. Diz-se por cá que as réplicas do sismo foram sentidas por mais de um ano. O balanço da tragédia no Chile foi de 5700 mortos e mais de 2 milhões de feridos, embora o número certo nunca tenha sido conhecido com exactidão. Este número parece reduzido para a magnitude do sismo, no entanto, não nos podemos esquecer que estamos numa área pouco povoada do país. A USGS publicou um artigo muito interessante sobre esta catástrofe. Não deixem de ler.

Com apenas um dia para visitar a povoação, decidi que a minha prioridade seria procurar os locais que resistiram ao sismo de 1960 e as marcas que isso deixou na cidade. Estima-se que a cidade tenha afundado cerca de dois metros após o sismo, pelo que as marcas na marginal do rio são evidentes. Muito poucos edifícios anteriores ao sismo restam. Os melhores exemplos estão na rua General Lagos, onde hoje se erguem os edifícios da universidade.Foi com surpresa que descobri um vibrante mercado de peixe repleto de pescado fresco e vários leões marinhos esperando pelo almoço. Aproveitei para comprar mexilhões gigantes para o jantar. Um "regalo" para quem já comia sandes ao almoço e ao jantar há duas semanas.

Etiquetas: