Valparaíso

Quando Diego de Almagro chegou a Valparaiso, em 1536, estava longe de imaginar que a cidade cresceria para as suas 42 diferentes colinas e que se estenderia para quilómetros de distância. Já na altura, a baía era tão bela que o conquistador espanhol a baptizou de Valparaiso, devido aos vales que se formam entre as suas colinas.
O simples porto pouco mais tinha do que uma igreja e um aglomerado muito pequeno de casas, na zona onde hoje se ergue a Igreja Matriz, mas a cidade depressa se tornou um porto importante no comércio com a coroa espanhola, nomeadamente do ouro do Peru. Tão importante que Sir Francis Drake e outros piratas ingleses a saquearam várias vezes. O porto de Valparaíso foi crescendo ao longo dos anos mas, depois da independência do Chile, transformou-se numa zona franca e o seu crescimento disparou. Nas colinas da cidade começaram a aparecer habitações que se estendiam até ao topo. As casas pareciam desafiar a lei da gravidade mas aguentavam-se milagrosamente ao passar dos anos e os sismos frequentes. No Cerro Bellavista, Cerro Conception, Cerro Alegre e Cerro Artilleria construíram-se ascensores que hoje são Património Mundial da Humanidade.
Muitos dos ascensores estão hoje encerrados porque os custos de manutenção são bastante elevados e a Câmara Municipal não os consegue suportar. Infelizmente, as ruas estão sujas e a marginalidade chegou a Valparaíso, tão perto da capital chilena. No entanto, Valparaíso continua lindo e os poucos ascensores que funcionam levam-me aos mais belos cerros da cidade, onde a vista é deslumbrante. O porto marítimo continua cheio de vida e ao longe vê-se as praias de Viña del Mar. A verdadeira alma chilena parece residir aqui.

Etiquetas: