Rosário

Anahi é o nome da minha host de couchsurfing em Rosário. Recebeu-me no seu apartamento, no 11º andar, e tratou-me como se já fossemos amigas há vários anos. Quando cheguei a Rosário Anahi ainda estava a trabalhar, e então aproveitei para deixar a mochila no posto de turismo e explorar a cidade.
Rosário situa-se na margem esquerda do rio Paraná e o que me trouxe aqui foi a vontade que tenho de conhecer o delta deste rio.
A terceira maior cidade da Argentina é um pólo industrial importante, devido ao seu desenvolvimento no séc. XIX, quando as Pampas se tornaram uma das regiões do mundo com maior produção de cereais. É dessa altura que datam as inúmeras construções da linha férrea e os silos junto ao rio.
Embora muito pouco procurada pelos turistas, desde que fechou a linha férrea que ocupava a margem do rio, a cidade abriu-se e o turismo começou a aumentar. O problema é como me diz Anahi: Quem é que vem a Rosário quando há tanta coisa para ver na Argentina?" Não posso deixar de lhe dar razão.
Começo a minha visita pela Plaza 25 de Mayo, onde se ergue a Catedral de Nossa Senhora do Rosário. Sigo pela Passage Juramento, uma passagem decorada de estátuas e chafarizes que me leva ao Monumento Nacional da Bandeira. Este é o ex-líbris da cidade e um marco para todos os patriotas argentinos. Foi numa ilha do delta, aqui bem perto, que o General Belgrano hasteou, pela primeira vez, a bandeira da Argentina independente. Estávamos no ano de 1812. Os restos mortais do general repousam hoje na cripta. Eu decido subir à torre, para apreciar uma vista panorâmica soberba sobre a cidade e o delta.
Anahi é engenheira mecânica e o seu turno termina às 14h. Encontramo-nos às 14.30h no seu apartamento. Depois de um agradável conversa, saímos para explorar a cidade. Visitamos a casa onde nasceu Che Guevara, hoje propriedade privada, e o Passeio do Século, majestosamente ornamentado por edifícios em estilo europeu do séc. XIX. Terminamos o nosso percurso na chamada La Costera, a margem do rio Paraná, que limita a cidade a Este, e cujos 10km estão repletos de parques e jardins. Do museu de Arte Contemporânea, antigos silos, contemplamos o delta.
Apesar de ser sexta-feira de carnaval, aqui não há comemorações. Durante o tempo da ditadura foram proibidas as celebrações e as tradições perderam-se. Assim, à noite fui jantar com Anahi e o seu namorado Pablo, à beira rio. Foi uma noite extremamente interessante, muito bem passada e muito agradável.
A minha passagem por Rosário teve um ponto negativo que foi o furto da minha máquina fotográfica, mas teve concerteza muitos pontos positivos e, Anahi e Pablo foram um deles.

Etiquetas: