Punta del Este

Poderia ser Miami, Marbella, Quarteira ou... simplesmente Punta del Este. É esta a sensação que tenho quando aqui chego.
Para quem vem de Cabo Polónio, Punta del Este é o antípodas... É como passar de Lamas de Olo, no Alvão, para Lisboa. A vida simples e tranquila desaparece para dar lugar a edifícios altos, luzes de néon, praias repletas de turistas e muitos centros comerciais.
Procuro o meu hostel, o Tas d'Viaje, que se localiza mesmo no centro da cidade e, à semelhança de qualquer outro em Miami, tem uma sex-shop ao lado.
Saio para explorar o meu novo destino. Começo pelo centro, completamente descaracterizado, onde se concentram hotéis e shoppings. Sigo pela marginal, com a Praia Mansa e em seguida o porto. Este local é o mais interessante de Punta del Este. Ao largo, existe a chamada Isla de los Lobos, a maior colónia de lobos e leões marinhos do Uruguai. Estes animais são atraídos para o porto em busca de comida. Os pescadores amanham o peixe e atiram os restos para a água. Vários leões marinhos amontoam-se esperando a sua parte.Em Cabo Polónio tinha-os visto mas eles estavam relativamente longe. Aqui, estão mesmo ao meu lado. São animais gigantescos. Os machos são gordos, com bigodes e pêlo, e medem cerca de 3 metros de comprimento. As fêmeas são mais pequenas e de pele macia e lisa. Estes mamíferos vivem em regiões de baixas temperaturas e alimentam-se principalmente de moluscos. Devem os seu nome, precisamente ao facto dos machos adultos possuírem uma espécie de juba.
Aqui no porto, lutam por apanhar a melhor espinha de peixe que os turistas vão lançando. Alguns leões marinhos praticam verdadeiras acrobacias para a capturar.
Os pescadores, graças à presença dos animais, atraem mais turistas e, potenciais compradores. Todos ficam satisfeitos. Eu, entretenho-me a tirar fotografias deste animal tão gigantesco e ao mesmo tempo tão terno.
Do porto sigo pelo passeio marginal que contorna a península de Punta del Este. A marginal, ao contrário do que seria de esperar, não está cheia de esplanadas e restaurantes mas de casas luxuosas da nova burguesia uruguaia.
As praias rochosas da ponta da península parecem fazer as delícias dos amantes das aves marinhas. O meu percurso segue pela Praia dos Ingleses, Praia Emir e termina na Praia Brava, onde a famosa escultura La mano en la arena, do artista chileno Mario Irarrazaba, atrai centenas de turistas e permanece a imagem de marca desta estância balnear no litoral do Uruguai.
 

Etiquetas: