Cesareia

Entre Haifa e Tel'Aviv, a cidade romana de Cesareia debruça-se sobre o Mar Mediterrâneo. Considerada as maiores ruínas arqueológicas de Israel, as escavações que ocorreram nas décadas de 50 e 60 deixaram a descoberto um património ímpar neste país. A cidade foi fundada por Hérodes, no século I a.C., em homenagem ao imperador romano César Augusto, no que outrora tinha sido um porto fenício. As descrições dos historiadores falam numa mega cidade e durante muito tempo foram tidas como exageradas. No entanto, as últimas escavações mostram que poderá não ser assim.


Diz a lenda que S. Paulo terá partido de Cesareia para a sua viagem pelo mediterrâneo oriental e terá sido aqui que foi aprisionado e enviado para Roma.


A cidade apresenta uma muralha romana que circunda o porto marítimo e onde se localiza um templo virado para o mar - o palácio do rei Heródes, um anfiteatro, um hipódromo, um teatro e várias casas e edifícios públicos. O templo que outrora estava num promontório virado para o mar está praticamente desfeito e as ondas embatem no que resta do edifício. O teatro encontra-se bastante bem preservado e acolhe vários espectáculos de Verão como demonstram as infraestruturas modernas. Neste teatro escavado foi encontrada uma pedra, com partes de uma inscrição mencionando Pôncio Pilatos, Procurador da Judéia e o Tiberium (edifício em homenagem ao Imperador Tibério), que ele construiu.


Um pouco ao lado, um anfiteatro cujos lados oriental e setentrional estão bem preservados. O lado ocidental foi destruído pelo mar. Outrora, recebeu cerca de 8.000 espectadores e no século I ainda lhe foram acrescentados mais lugares, aumentando sua capacidade para 15.000. Os espectadores que se sentaram nesta arena puderam assistir a corridas de cavalo. Fora das muralhas e depois de termos caminhado um bom bocado para norte chegamos ao aqueduto romano que assegurava o abastecimento de água da cidade trazendo-a de fontes que se localizam a 9 km, perto do Monte Carmelo em Haifa. Hoje o aqueduto está praticamente enterrado pelas areias mas nalgumas secções expõem-se magnificamente no meio das praias.


A cidade romana terá caído em declínio e durante o período bizantino voltou a reflorescer. Terá por esta altura albergado uma biblioteca cristã com 30 mil manuscritos e sido um importante centro de estudos geográfico-histórico da Terra Santa. A Cesareia bizantina cresceu para fora das muralhas com habitações, igrejas e sinagogas.


Em 639, Cesareia foi conquistada pelos árabes e a cidade foi transformada numa área agrícola com uma muralha de 3 m de espessura.


Em 1101, os cruzados conquistaram a cidade. Aqui encontraram um relíquia... um vaso em vidro verde que consideraram ser o Santo Graal, o cálice usado por Jesus na Última Ceia. Levaram-no para Génova e colocaram-no na Igreja de S. Lourenço.


Depois de capturada por Saladino em 1187, reconquistada em 1191 por Ricardo Coração de Leão, Rei da Inglaterra, a cidade não parou de passar de mãos em mãos e, Luís IX, Rei da França, restaurou e fortificou Cesareia, em 1251, com uma muralha de 4 m da espessura e um fosso com 10 m de profundidade e 15 m de largura. Caindo às mãos dos Mamelucos em 1265, estes destruíram as fortificações e destruíram muitos dos edíficios da cidade.


O passado de Cesareia está marcado nas suas ruínas e testemunham uma história de guerrilha e prosperidade. Hoje, uma área de lazer floresce em torno das ruínas. Bares, restaurantes e salões de chá de luxo estão aí construídos. O local está cuidado mas o parque de estacionamento construído no meio das ruínas é, no mínimo, um atentado paisagístico.



Hoje começa o Shabbat e os transportes públicos terminam ao inicio da tarde. Pedimos aos empregados de um dos restaurantes para nos guardarem as mochilas e exploramos as ruínas e as praias circundantes durante a manhã de sexta-feira. Estava na hora de vir embora e apanhar o comboio a caminho de Tel'Aviv. À saída ainda descobrimos o local onde foi tirada a fotografia da capa do guia da Lonely Planet!


Etiquetas: