Taoismo, Introdução

O taoismo é uma religião difícil de definir, por várias razões. Primeiro, o seu fundador é uma figura sobre a qual pouco ou quase nada é conhecido em termos históricos. De seu nome Lao Tzu e supostamente nascido no século VI a.C., é o presumível autor de 2 textos, o Tao Te Ching e o Hua Hu Ching, ambos estruturados em 81 capítulos e cheios de alegorias, analogias e afirmações paradoxais. Segundo, é uma religião que nunca se expandiu para além do território chinês, com excepção da recente "descoberta" por parte do mundo ocidental. Por último, é uma religião que não tem rituais característicos que a distingam das demais (nomeadamente do budismo), sendo dado muito mais ênfase a um conjunto de doutrinas e práticas que sobreviveram ao passar dos séculos, formando simbioses com outras religiões. Hoje, o taoismo tem pouquíssima expressão oficial, existindo apenas uma organização com sede em Pequim e responsável por um templo na capital.


Nos textos taoistas, é apresentada uma concepção do mundo em que os (aparentemente) opostos fazem, na realidade, parte do mesmo conjunto harmonioso, sendo o exemplo mais famoso o dos princípios masculino e feminino, Yin e Yang. De acordo com a doutrina do Tao (literalmente, "significado"), o Universo é regido por uma energia ("chi") que, pelas suas diferentes manifestações e transformações, é responsável por todas as coisas. O objectivo do Homem deve ser ultrapassar a ideia de individualidade e, com base em diferentes técnicas, conseguir reconhecer a sua verdadeira identidade e assim compreender o Tao.
   
Estas ideias foram, naturalmente, desenvolvendo-se ao longo de séculos, moldando a maneira de pensar do povo chinês e influenciando decisivamente o confucionismo e budismo. Ainda hoje, por exemplo, as práticas do tai chi e do feng shui fazem parte da vida quotidiana dos chineses e são cada vez mais populares no Ocidente.
  
O tai chi (cujos praticantes podem ser observados em qualquer jardim público, de manhã cedo ou ao final da tarde) é um conjunto de posturas, movimentos e técnicas de respiração que têm como objectivo melhorar a fluidez da energia pelos "canais" do corpo humano, com efeitos benéficos para o corpo e espírito.
  
O feng shui baseia-se na ideia que a circulação benéfica da energia dentro de nossas casas é importante para o nosso bem-estar e depende de factores como a localização da casa, os materiais de construção utilizados e a disposição das divisões. Estas ideias ditavam, por exemplo, onde e como eram construídos os túmulos dos imperadores e ainda hoje têm influência na edificação moderna nas cidades chinesas.
  
No taoismo impera também a ideia que, se o Homem tomar plena consciência da sua verdadeira natureza, então poderá alcançar aquela qualidade ter a imnortalidade só digna dos Deuses: a imortalidade. Com este fim em mente, foram sendo desenvolvidas técnicas pelos mestres taoistas que levam a um aumento da longevidade e até à conservação da juventude. Estas práticas podem dividir-se em dois tipos: externas e internas. As primeiras baseiam-se na procura de uma substância (um "elixir da vida") capaz de conceder a imortalidade aquele que a tivesse em seu poder. As segundas são um conjunto de métodos de meditação e contemplação (em algumas correntes de pensamento, conjugados com práticas sexuais) que levam ao rejuvenescimento e por fim à imortalidade.

Etiquetas: